A sério que sim
6.8.13

A Federação Nacional da Educação (FNE) discorda da prova de acesso à carreira docente nos moldes propostos pelo Ministério (acrescentaria eu, em quaisquer moldes propostos pelo Ministério). João Dias da Silva, o seu secretário-geral, quer garantir que "os professores no sistema educativo estejam definitivamente dispensados da realização de uma prova desta natureza". Para a FNE:

 

(...) os professores que têm “servido o sistema educativo e que têm tido a classificação de bom não devem realizar esta prova e devem ser dispensados”.

 

O que acho particularmente interessante nesta posição da FNE, e do seu secretário-geral, é que parece ter sido pensada à medida do secretário-geral da Fenprof Mário Nogueira, o professor efectivo no Agrupamento da Pedrulha e que foi avaliado com "Bom" - apesar de não pisar uma sala de aula há mais de 20 anos

 

Repito: a FNE não se importa que alguém que não dá aulas há mais de 20 anos, e foi avaliado com um Bom, não pela sua actividade docente, mas com base num relatório que elaborou de toda a sua actividade de sindicalista, acções de formação que realizou, conferências e congressos em que participou, artigos que escreveu na comunicação social - tenha acesso directo a uma turma sem prestar provas de capacidade pedagógica.

link do postPor João Sousa, às 09:21  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO