A sério que sim
29.8.16

Em Bruxelas, um carro "avançou contra as barreiras de segurança do parque do Instituto de Criminologia, tendo depois um ou dois atacantes detonado uma bomba perto dos laboratórios". Até ao momento da publicação da notícia, as autoridades "desconheciam" o que teria motivado o ataque. Pois: porque será?

link do postPor João Sousa, às 08:18  ver comentários (1) comentar

Um dos mais surpreendentes efeitos colaterais da polémica "burkini" é este: no meio de todos aqueles que têm comentado o assunto, Fernanda Câncio tem sido das pessoas mais sensatas!

link do postPor João Sousa, às 00:01  ver comentários (1) comentar

25.8.16

público de 18/08/2016

Faz hoje uma semana, o Público bradou, com voz grossa e indignada, que PSD e CDS pagaram, entre os dois, 475 mil euros a um especialista em comunicação política para a campanha das últimas legislativas. Logo a seguir, o Público surrurrou timidamente, decerto para não acordar o menino que dormia, que o PS pagou 751 mil euros (58% mais) a um militante para lhe decorar as salas de campanha.

 

Pergunto hoje o que já perguntei mil vezes antes: para que sustenta a Sonae esta triste sombra de jornalismo?

link do postPor João Sousa, às 21:19  ver comentários (2) comentar

24.8.16

Tão cíclico como as marés, levantam-se vozes contra o turismo que "descaracteriza" Lisboa e a "rouba aos lisboetas" - como se houvesse assim tantos lisboetas para serem roubados ou tanta Lisboa para roubar. São, em grande parte, vozes da Esquerda (que, quando lhe convém, se mostra muito ciosa da tradição), mas uma parte não negligenciável ouve-se da Direita - provando que a idiotice pode ser transversal à doutrina.

 

Estas vozes da Esquerda preocupam-se com o turismo que "empata" a vida dos lisboetas. Curiosamente, nunca ouvi tais vozes preocupadas com as sucessivas greves do Metro que agora se metamorfosearam em "perturbações de circulação" diárias - e que, por coincidência extraordinária, só se vulgarizaram na época alta do turismo. Não: estas "perturbações de circulação" não "empatam a vida" dos lisboetas.

 

De igual forma, não me recordo de ouvir preocupação nestas vozes da Esquerda pelas obras que constantemente esventram a cidade, interrompem ou desviam o trânsito e enchem, no calor do Verão, o ar de poeiras e cheiros. Não: parece que este frenesim camarário de mostrar obra em antevéspera de eleições não "perturba a vida" dos lisboetas.

 

Tal como nunca ouvi um tremor de ansiedade nestas vozes de Esquerda pelas árvores retiradas para serem substituídas por folclóricas ciclovias com menos uso do que o aeroporto de Beja, ou pelas fachadas de edifícios que se incentiva cobrir de graffitis de estética duvidosa para disfarçar a sua decadência: isto não é nunca, para estas vozes, "desvirtuar a cidade".

 

Nada disto é, parece, perturbador para a nossa vida. Aquilo que realmente empata são os turistas ingleses, franceses, alemães, italianos e etc. que deixam cá o seu dinheiro - e graças ao qual a tragédia da geringonça é levemente maquilhada. Talvez estas doces vozes preferissem que aqueles países se limitassem, simplesmente, a enviar-nos o dinheiro sem qualquer contrapartida - a bem desse conceito tão querido à nossa Esquerda chamado "solidariedade europeia" e que se traduz por partilhar deveres e direitos deste modo: nós ficamos com os direitos e eles com os deveres.

link do postPor João Sousa, às 09:58  ver comentários (1) comentar

22.8.16

Catarina Martins, num dos mais espectaculares exercícios de hipocrisia de que me recordo, afirma-se diariamente "arrependida da criação da geringonça". Também eu, todos os dias, me arrependo da criação desta geringonça (des)governativa. A diferença é que eu não tenho responsabilidade nenhuma no facto e irei pagá-lo com a carteira, enquanto Catarina Martins não só foi aríete da sua criação, como surge nos intervalos do arrependimento a defender o governo com ainda mais empenho do que o próprio.

 

Esta senhora pode ter sido uma actriz medíocre - mas demonstra tudo o que é necessário para uma carreira política de sucesso.

link do postPor João Sousa, às 11:02  ver comentários (3) comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO