A sério que sim
17.1.12

Não resisto a deixar algumas palavras acerca do assunto, apesar do post do João.

 

Rudolfo, o jovem, e Sónia Patrícia, a mãe do jovem, protagonizaram, à saída do tribunal, uma cena digna de Rocambole. Após terem ouvido, por parte do colectivo, que o que afastaria Rudolfo, o jovem, da prisão seria um comportamento exemplar e destituído de violência gratuita (algo mais ou menos compreensível para qualquer símio), Rudolfo, o jovem, e Sónia Patrícia, a mãe do jovem (qual o nome modernaço-que-não-fere-susceptibilidades para delinquentes adultos?), agrediram uma jornalista que por ali estava fazendo o seu trabalho.

 

Prováveis beneficiários de um generoso RSI pago por todos nós, Rudolfo, o jovem, e Sónia Patrícia, a mãe do jovem, vão passeando a sua classe e civismo, cometendo aquilo a que alguns atribuem o engraçado epíteto de "pequenos crimes", de uma forma praticamente impune, à luz dos princípios do famosíssimo estado social e do infinito guarda-chuva da promessa de reabilitação e reinserção social.

 

Não quero que o dinheiro proveniente dos meus descontos para a Segurança Social sirva para habilitar, reabilitar, integrar, reintegrar, inserir ou reinserir seja o que for parecido com esta mole humana incorrigível. Faça-se o que se puder, que se dê apoio a quem o merece.

link do postPor António Pinto, às 11:48  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO