A sério que sim
4.11.11

O PS, aquele partido que ocupa uma faustosa sede no Largo do Rato em Lisboa, está partido.

 

De um lado, uma ala com um líder que virou subterrâneo, exilado até, mas cuja influência se faz claramente sentir. É esse líder que têm em comum seres como silva pereira, josé lello e ricardo rodrigues, entre outras destacadas figuras do plantel do PS de sócrates. Afirmam estes que o PS deve votar contra o OE de 2012 pois um voto de sentido oposto seria a admissão de responsabilidade rosa no buraco financeiro por onde se vai escoando o País. Para estas sumidades, é perfeitamente lógico que os que governaram o rectângulo nos últimos 6 anos não têm qualquer responsabilidade pelo estado a que o Estado chegou. Deliciosas idiossincrasias.

 

Do outro lado, uma ala que não tem líder, apesar de ter eleito um. Seguro, cujo momento alto da liderança foi, até agora, "roubar" uma entrevista em directo a antónio costa, consegue o pleno da inutilidade: não une o partido, não faz uma proposta palpável, não assume uma posição clara em relação às decisões estratégicas nacionais. Nada! Veio, ontem, afirmar que o OE tem uma folga de 1.000 milhões de euros que devia ser, desde já, "torrada". São assim, estes socialistas que temos, dinheiro a mais no Estado é para derreter, a bem ou a mal.

 

 

link do postPor António Pinto, às 11:16  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO