A sério que sim
24.11.11

E eis que chegou: o glorioso dia em que os sindicalistas repõem a verdade e sanam todas as injustiças sociais e laborais que assolam o país desde Junho. Cenas lamentáveis na Vimeca, na Renault, à porta da Maternidade Alfredo da Costa, nas instalações da Câmara Municipal de Oeiras, entre outros, quando os eternos e muito democráticos piquetes de greve tentam impedir os seus colegas de exercer o seu direito ao trabalho. Louçã orgulhava-se hoje, nas instalações da Autoeuropa, de que "nenhuma unidade será aqui produzida, naquela que é a maior unidade industrial portuguesa".

 

São estes os exemplos de democracia e "avanço civilizacional" que estas pessoas transmitem. Este é o país que querem. Este sim, sem garantias, sem direitos, sem nada.

link do postPor António Pinto, às 09:56  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO