A sério que sim
10.4.13

Ao contrário do trabalhador de uma empresa privada, o funcionário público tem a possibilidade de, em datas predeterminadas, votar pelo despedimento do patrão que não o satisfaça. Mas isto, curiosamente, nunca entra nas contas do tal "princípio da igualdade".

 

O "princípio da igualdade" encalhado na Constituição e tão galhardamente defendido agora pelos senhores juízes do TC é, conforme as conveniências, uma manta curta.

link do postPor João Sousa, às 12:55  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO