A sério que sim
10.1.15

Ana Gomes escreveu para quem a quis ler, e disse para quem a quis ouvir, que

 

"o terrorismo é uma consequência da austeridade".

 

Não, Ana Gomes. O terrorismo é tão consequência da austeridade como os assassínios de Ted Bundy foram consequência da emancipação feminina.

 

Não, Ana Gomes, o terrorismo não é consequência da austeridade. O terrorismo é consequência de haver uns quantos que, ainda vivendo na Idade Média, defendem um modelo de sociedade absolutamente retrógado, baseado numa interpretação deturpada das suas escrituras religiosas e que, por fanatismo, se sentem autorizados a abater todos aqueles que não as partilham. Uma sociedade que não convive com a diferença e onde o conceito de livre arbítrio não existe. Uma sociedade onde, por exemplo, Ana Gomes, apenas por ter nascido mulher, seria forçada a cobrir-se da cabeça aos pés para sair de casa e impedida de emitir uma opinião ou até de aprender a ler.

 

Eu tenho um problema com Ana Gomes e não é por ser, na opinião de alguns, uma mulher sem papas na língua. O meu problema não é Ana Gomes dizer o que pensa - é ela, amiúde, falar sem pensar, descambar para o populismo, politiquice rasca ou a pura mentira. O terrorismo não é consequência da austeridade - mas o terrorismo verbal de Ana Gomes é óbvia consequência da sua imbecilidade.

link do postPor João Sousa, às 17:42  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO