A sério que sim
28.11.14

Maria João Avillez, no seu texto de ontem no Observador, escreve:

Soares nunca “se” impediu nada.

Eu não discuto a justiça disto, mas acho incompleto. Deveria antes ser:

Soares nunca "se" impediu nada e a Soares nunca se impediu nada.

link do postPor João Sousa, às 12:53  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO