A sério que sim
23.5.16

Os apologistas da geringonça, agora cansados com as manifs (pelos vistos, o direito à indignação tem limites impostos pela mediatriz política), acodem ao governo no assunto "ensino privado" com o argumento de que o Estado não deve ter gastos redundantes. Já o contribuinte que paga compulsivamente, quer usufrua dele quer não, o ensino público, pode ter gastos redundantes.

link do postPor João Sousa, às 15:38  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO