A sério que sim
1.7.16

São publicados textos a explicar as duas razões que tramaram Miguel Relvas - e depois mencionam apenas uns detalhes jurídicos.

 

Sejamos honestos. As duas razões que tramaram Miguel Relvas foram: termos um primeiro-ministro chamado Pedro Passos Coelho que, perante dúvidas sobre o currículo académico do seu braço-direito político, deu carta-branca ao ministro da Educação para fazer uma investigação séria; e termos um ministro da Educação chamado Nuno Crato que, incumbido de tal tarefa, não hesitou em agir em conformidade e decretar a nulidade do diploma daquele que era - repito - tão somente o braço-direito político do seu primeiro-ministro.

 

Comparemos: quando o currículo académico do primeiro-ministro Sócrates esteve sob escrutínio, ele "ordenou" ao ministro Mariano Gago uma "investigação" - e este inventou uns pretextos manhosos para fechar a universidade em questão e enterrar as informações relacionadas com o caso.

 

No fim de tudo, o que fica é isto: durante quatro anos tivemos um primeiro-ministro e um ministro da Educação íntegros; nos seis anos antes, tivemos um manhoso como primeiro-ministro e um pau-mandado como ministro do ensino superior.

link do postPor João Sousa, às 12:52  comentar

27.2.16

Aqui está mais uma razão para ter simpatia por Passos Coelho: Alberto João Jardim não votou PSD nas últimas eleições.

link do postPor João Sousa, às 09:52  comentar

16.9.15

O Público, na sua edição de hoje, publicou uma carta de 2011 que o então líder da oposição Pedro Passos Coelho enviou ao então primeiro-ministro José Sócrates:

carta_passos_sócrates.jpg

 Anunciou a publicação desta carta com os dizeres em chamada de primeira página:

PÚBLICO revela conteúdo da carta que o líder do PSD dirigiu ao então primeiro-ministro, a 31 de Março de 2011, a exigir que pedisse apoio externo para resolver os problemas financeiros do país.

A direcção do Público concluir, a partir desta carta, que Passos Coelho está a exigir algo, só me permite concluir que a direcção do Público é constituída por analfabetos - porque a alternativa seria a direcção do Público ser constituída por um grupo de reles canalhas.

link do postPor João Sousa, às 22:05  comentar

10.9.15

Acompanhei o enfadonho debate de ontem. Uma hora e meia sem uma única ideia para a próxima legislatura, nem de um lado nem do outro. Uma hora e meia de lavagem de roupa suja e conversas patetas acerca do passado. Uma hora e meia vazia, que nos faz arrepender de não termos estado a fazer qualquer outra coisa.

 

Costa ganhou o debate, quanto mais não seja porque conseguiu manter Passos Coelho permanentemente a reboque das suas acusações. Tomou a liderança, Passos seguiu, de forma ingénua. Explicou-se demais, normalmente mal, e acabou por não conseguir fazer passar a sua mensagem. Costa esteve agressivo e acutilante, embora raras vezes honesto, e Passos foi... passivo, talvez demasiado confortável com a tendência nas intenções de voto, que se mostra consistentemente favorável. Por isso, Passos terá entrado para não perder, para o empate. Como normalmente sucede com quem entra para empatar, perdeu.

 

Mas é importante analisar esta vitória. Costa ganhou no estilo, ganhou na postura, mas não no conteúdo. Não conseguiu, por um segundo que fosse, dissociar-se do legado socrático que paira sobre si como um fantasma inquieto, não apresentou uma única ideia ou medida concreta para os próximos 4 anos e até teve aquele deslize do "se tem saudades do eng. Sócrates vá visitá-lo e debata com ele...", de uma deselegância que nos fez recordar que estavámos, afinal, na presença de um socialista.

 

Costa ganhou, é verdade, mas foi uma vitória pífia. Dificilmente terá convencido eleitores a votar em si, simplesmente porque não apresentou qualquer alternativa viável. Dificilmente terá sido suficiente para inverter a tendência que se tem verificado nas sondagens. Fica, no entanto, o aviso a Passos Coelho. Relaxar em cima dessa tendência pode ser uma estratégia perigosa. Colar Costa ao ex-recluso 44 não chega e a procissão ainda vai no adro.

 

Falta menos de um mês. A ver vamos!

link do postPor António Pinto, às 10:31  comentar

2.5.15

Passos Coelho elogia Dias Loureiro qualificando-o como "um empresário bem-sucedido". Passos Coelho, pelos vistos, está mortinho por perder as eleições.

 

Não é nada que não se tenha visto antes. Quando Armando Vara era um "banqueiro bem-sucedido" (após ter sido um bancário mal-sucedido), recordo-me de ver Jorge-Mota-Engil-Coelho gabá-lo como "uma formiguinha de trabalho". Jorge Coelho, não o esqueçamos, grande amigo de Dias Loureiro. Isto é um círculo muito fiel...

link do postPor João Sousa, às 08:33  comentar

30.5.13

 

Surge hoje a notícia de que a União Europeia vai investigar Passos Coelho, Relvas e a Tecnoforma, tudo motivado por uma queixa de Ana Gomes.

 

Ponto prévio: concordo com o apuramento de responsabilidades em processos menos claros, independentemente do quadrante político dos intervenientes.

 

Posto isto, parece-me irónico que a queixa tenha partido desta máscula eurodeputada. Ana Gomes esteve com a sua frondosa queixada bem presente enquanto o ex-querido líder, agora reduzido à condição de comentadeiro da estação pública, e respectivos apaniguados transformavam Portugal num tipo de faroeste sem lei. Apesar de fazer parte de um tipo de oposição interna ao sultanato de Sócrates no PS e de ter sido comparada a um "rottweiler à solta" por um dos elementos do seu gabinete, não consta que tenha sido levantada qualquer investigação a Sócrates por iniciativa da senhora.

 

Numa outra perspectiva, finalmente surge uma notícia acerca de Relvas após a sua saída do Governo. Todo este silêncio mediático poderia levar uma qualquer mente paranóica a assumir que houve uma acção concertada para o afastar. Longe de nós pensar que algo deste género se pode passar aqui no rectângulo.

 

link do postPor António Pinto, às 12:15  comentar

10.4.13

A colunista Bárbara Reis escreveu ontem, no Público, isto. A determinada altura da sua oração aos deuses do Palácio Ratton, enumera 15 considerações que Passos Coelho teceu acerca do acordão do TC. A pergunta que se impõe é: alguma dessas considerações é falsa?

link do postPor António Pinto, às 10:05  comentar

22.2.13

Consegue-se imaginar o auto-apelidado "animal feroz", o tal da "liberdade respeitosa" e das transmissões em directo que se transformam em diferido por "questões técnicas", agir com esta cordialidade perante manifestantes (igualmente civilizados)? Eu não. Há coisas que simplesmente nascem com as pessoas.

link do postPor João Sousa, às 11:00  comentar

30.11.12

Soares considera que as políticas seguidas por Passos Coelho estão a arruinar o povo português. Exige, portanto, a sua demissão. Soares acha que é capaz de arruinar o povo português sozinho.

link do postPor António Pinto, às 11:40  comentar


 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO