A sério que sim
7.6.16

Quem me conhece e/ou leu textos meus aqui no blogue sabe que sou insuspeito de qualquer átomo de simpatia para com Paulo Portas. Estou, por isso, à vontade para dizer o que direi: se Paulo Portas, como afirma, cumpre escrupulosamente a lei nesta ida para a Mota-Engil, então nada há a apontar a Paulo Portas ou sequer à Mota-Engil.

 

Contudo, malditas sejam então as leis que permitem a vermes como Paulo Portas (no presente e Jorge Coelho no passado) saltarem de governos para esse charco do regime chamado Mota-Engil.

link do postPor João Sousa, às 20:53  comentar

29.11.15

O antigo jornal de referência Público anda agora muito encanitado com a contratação de Sérgio Monteiro pelo Fundo de Resolução do Novo Banco. O Correio da Manhã, que é actualmente o único jornal que faz realmente jornalismo, também não se coibiu de fazer um pequeno exercício de chico-espertice quando chamou para a primeira página de ontem:

sérgio-monteiro-sexta-feira.png

Ora o que o Correio da Manhã escreve é factualmente correcto, tal como o descreve no corpo da notícia: Sérgio Monteiro vai, de facto, ganhar 20.000 euros quando ganhava 3.600 euros como secretário de Estado. Acontece que a notícia também diz que estes 20.000 euros eram o salário do mesmo Sérgio Monteiro antes de ir para o governo. O Correio da Manhã, portanto, poderia titular na primeira página com igual correcção:

"Ex-secretário de Estado ganha o mesmo que ganhava antes de entrada no Executivo."

De igual forma, não me recordo de ter visto o Correio da Manhã, o Público, o DN, o Expresso ou qualquer outro escreverem há quatro anos:

"Secretário de Estado ganha 5 vezes menos com entrada no Executivo".

O que o Correio da Manhã faz, e não vi o Público fazer, é noticiar que "outro assessor contratado por valores milionários é o escritório de Vasco Vieira de Almeida, que intervém no processo como consultor jurídico". Como nos recordamos todos, este escritório já esteve envolvido no negócio Freeport, no negócio Submarinos e sabe-se lá em quantos mais: o nome Vasco Vieira de Almeida é tão omnipresente nos grandes negócios de regime como o de Proença de Carvalho ou José Miguel Júdice.

link do postPor João Sousa, às 20:13  comentar

5.11.12

Cristina Azevedo, ex-presidente despedida da Fundação Cidade de Guimarães, exige uma indemnização de 420 mil euros. Carla Morais, ex-vogal despedida da Fundação Cidade de Guimarães, exige uma indemnização de mais de 800 mil euros.

tags:
link do postPor João Sousa, às 10:52  comentar

26.10.11

O Conselho Nacional de Transição líbio anunciou, finalmente, a libertação do país das garras de um pérfido regime, que o estrangulou durante mais de 40 anos.

 

Eu rejubilei.

 

Nunca mais teremos de suportar o encerramento de instituições de ensino superior porque alguém da cúpula do regime a usou como fachada para as suas supostas habilitações académicas, nunca mais veremos inspectores da polícia de investigação afastados, destruídos e enxovalhados em praça pública por investigarem temas "quentes", nunca mais veremos déspotas a subtrair aos jornalistas o seu material de trabalho porque as perguntas são incómodas, nunca mais homens como Chávez ou Robert Mugabe serão recebidos com honras de Estado, nunca mais orgãos independentes de comunicação social serão processados por "destapar a careca" ao regime, nunca mais ouviremos expressões como "quem se mete connosco, leva" e nunca, nunca mas nunca mais veremos um líder impecavelmente vestido e aprumado, preocupadíssimo com o melhor ângulo para a câmara, rodeado da sua terrível "entourage", a dizer os maiores disparates que se possam imaginar.

 

Caramba, viva a liberdade, viva a democracia!

 

 

link do postPor António Pinto, às 09:52  comentar


 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO