A sério que sim
21.7.17

Andam muitas vozes blogosféricas em polvorosa por causa de uma reportagem do Observador sobre carrinhas que foram usadas para recolher militantes nas eleições locais do PSD (aguardo semelhante dedicação jornalística em eleições locais do PS). É revelador que as mesmas vozes, blogosféricas e jornalísticas, se silenciem perante cortejos de autocarros fretados pelos sindicatos por ocasião de certas manifestações.

link do postPor João Sousa, às 12:58  comentar

1.10.15

Quando cheguei a Lisboa, a linha amarela do Metro estava com "perturbações" cuja resolução "poderia ser prolongada". Também soube que a circulação na linha azul "se encontrava normalizada" - o que significava que também esteve "perturbada".

 

Chamem-me cínico, mas não me admiraria que até Domingo houvesse, depois dos dias mais recentes de razoável acalmia, muitas "perturbações" na circulação do Metro de Lisboa. Talvez até algumas carreiras da Transtejo suprimidas por "avaria na embarcação".

link do postPor João Sousa, às 11:28  comentar

19.3.15

O presidente do sindicato dos trabalhadores dos impostos diz que os responsáveis pela (agora) famosa lista-VIP "atentaram contra o Estado de direito e contra os interesses dos portugueses". Curiosamente, não me recordo de ainda ter ouvido o senhor presidente do sindicato dizer, dos funcionários que acederam sem justificação processual a dados confidenciais de alguns contribuintes por auto-recreação, tédio ou pura malícia, que "atentaram contra o Estado de direito e contra os interesses dos portugueses"

link do postPor João Sousa, às 12:46  comentar

22.1.15

Pelas 16:30, estavam uns vinte sindicalistas especados perto do edifício da PT nas Picoas. Entre todos, não se devia contar uma única lâmina de barbear...

link do postPor João Sousa, às 20:01  comentar

24.4.14

- Sr. guarda, venho reportar um crime de que estou a ser alvo.

 

- Muito bem - senta, com um suspiro de alívio, o volumoso traseiro na cadeira e começa a escrever no computador, com dois dedos, à razão de quatro letras por minuto. - Qual é o crime?

 

- Estou a ser sujeito a chantagem.

 

- Chantagem? E pode identificar o chantagista?

 

- Sim: todos vocês.

link do postPor João Sousa, às 08:06  comentar

17.10.13

Quando a greve do Metro prevista para esta semana ficou sem efeito, eu pensei que os sindicatos, finalmente, estavam a mostrar flexibilidade. [Na verdade, não pensei tal coisa - mas fica sempre bem, neste tipo de texto, aparentar alguma crença ingénua na espécie humana.] Entretanto, os vários sindicatos dos transportes conluiaram-se para organizar duas semanas de greves.

 

E que tal se fossem à merda?

link do postPor João Sousa, às 17:42  comentar

6.8.13

A Federação Nacional da Educação (FNE) discorda da prova de acesso à carreira docente nos moldes propostos pelo Ministério (acrescentaria eu, em quaisquer moldes propostos pelo Ministério). João Dias da Silva, o seu secretário-geral, quer garantir que "os professores no sistema educativo estejam definitivamente dispensados da realização de uma prova desta natureza". Para a FNE:

 

(...) os professores que têm “servido o sistema educativo e que têm tido a classificação de bom não devem realizar esta prova e devem ser dispensados”.

 

O que acho particularmente interessante nesta posição da FNE, e do seu secretário-geral, é que parece ter sido pensada à medida do secretário-geral da Fenprof Mário Nogueira, o professor efectivo no Agrupamento da Pedrulha e que foi avaliado com "Bom" - apesar de não pisar uma sala de aula há mais de 20 anos

 

Repito: a FNE não se importa que alguém que não dá aulas há mais de 20 anos, e foi avaliado com um Bom, não pela sua actividade docente, mas com base num relatório que elaborou de toda a sua actividade de sindicalista, acções de formação que realizou, conferências e congressos em que participou, artigos que escreveu na comunicação social - tenha acesso directo a uma turma sem prestar provas de capacidade pedagógica.

link do postPor João Sousa, às 09:21  comentar

28.6.13

Uma das coisas que mais me irritam é a cobardia dos nossos revolucionários de meia-tigela.

 

Ontem, como sempre acontece quando há greves, formaram-se piquetes em vários locais. No caso particular da Carris, tentaram impedir a saída dos autocarros que iriam prestar os serviços mínimos e a PSP agiu para repor a legalidade. Os membros do piquete, cobardes e hipócritas como sempre são os membros de piquetes, decidiram filmar a brutal actuação das forças policiais.

 

Eu vi o vídeo com toda a atenção: foi uma desilusão do princípio ao fim. Nem uma joelhada na boca do estômago, nem um pontapé nos rins, nem sequer uma bastonada na garganta de um qualquer piqueteiro. Para estes nossos bravos, os excessos de força da polícia são uns empurrões mais expectáveis no pátio de uma escola primária do que numa manifestação de esquerda.

 

Os grevistas sentiram-se violentados - mas até foram carregados ao colo! Que palhaçada! A polícia só poderia ter sido mais meiguinha - se fosse, à noite, aconchegar-lhes os lençóis do My Little Pony e murmurar-lhes histórias de princesas e bruxas-más.

link do postPor João Sousa, às 11:31  comentar


 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO