A sério que sim
12.12.18

barco em ruínas.jpg

 

Com a cara-de-pau que é endémica aos motoristas que se vão revezando na condução desta gerigonça, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas (curiosa denominação, dada a falta de planeamento que existe na manutenção dos transportes públicos e a degradação crescente e visível das nossas infraestruturas) Pedro Marques disse que o governo PS já tinha investido "12 milhões de euros na recuperação de material circulante fluvial".

 

Para começar, temos o clássico embuste: o governo PS, ao contrário do que a excelência ministerial diz, não "investiu" dinheiro algum - foi o contribuinte que o pagou.

 

Mas o mais insultuoso, e é claro que o jornalismo que temos não vai pegar nestes números nem com pinças, é o ministro que tem a soberba de falar em 12 milhões de euros gastos, ao longo dos três anos de legislatura, na manutenção de um transporte que serve anualmente milhões de passageiros, pertencer ao governo que se orçamentou, para viagens que fará em 2019, com 116 milhões de euros (quase o décuplo). Por comparação, em 2018 o governo gastou 89 milhões de euros em viagens. Ou seja: os 12 milhões de euros que o governo gastou em três anos na manutenção dos cacilheiros não cobrem nem metade da diferença (27 milhões de euros) entre os orçamentos de 2018 e 2019.

 

Já agora, uma pequena comparação. No ano (2015) em que mais gastou em viagens, o governo de Passos Coelho ficou-se pelos 70 milhões de euros, nunca tendo superado os 60,4 entre 2011 e 2015.

link do postPor João Sousa, às 18:43  comentar

 
subscrever feeds
Statcounter
blogs SAPO